Análises

Massacre em Suzano: Call of Duty teve a culpa?

Polêmica: talvez essa seja a palavra mais usada quando falamos em games. Desde de que foram criados, os jogos eletrônicos são acusados de várias coisas: perda de tempo, infantilização de adultos, “estragadores” de TV e de tornar pessoas que jogam games de ação de “violentas”.
E não é de hoje que quando ocorrem tragédias alguém procura um game que o bandido jogava para mostrar o quão noscivo podem ser esses games. Jogos como Duke Nuken 3D, Assassin’s Creed e GTA já foram acusados de serem a motivação por trás de massacres em ambientes públicos. A “bola da vez” é o game Call of Duty, que está sendo mencionado por alguns meios noticiosos como uma das razões por quais dois jovens invadiram uma escola e mataram vários adolescentes e duas funcionárias, além do tio de um dos jovens. Mas será mesmo assim?
De acordo com o que se sabe até agora (que não é muita coisa) não dá pra dizer o que realmente motivou o massacre. Até aqui isso é o que se tem de informação, de acordo com vários sites:

* Um dos jovens era ex-aluno da escola. Havia sido expulso tempos atrás.
* Ele havia discutido com o tio (que matou) no dia anterior.
* Postava fotos com poses agressivas nas redes sociais.
* Pai e mãe são viciados em drogas.
* A mãe do mais jovem tem filhos de diferentes pais.
* Supostamente os dois jovens faziam parte de um fórum de “heróis” que costumavam publicar temas macabros.

Bem, você mesmo poderia deduzir que uma pessoa com um perfil assim poderia desenvolver algum problema mental, não é mesmo? Mas infelizmente, parte da imprensa publicou com destaque que os jovens costumavam jogar Call of Duty, dando a entender que apesar de todos os detalhes acima, o game poderia ser o culpado. Veja alguns trechos publicados no site da Isto é:

“SÃO PAULO, 14 MAR (ANSA) – A polícia investiga há quanto tempo os jovens Luís Henrique de Castro, de 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, planejaram o ataque contra a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, ocorrido ontem (13) e o qual deixou oito vítimas, além dos dois atiradores. Ainda não se sabe a motivação do atentado. As autoridades apuram a participação dos dois em um grupo que joga o game de guerra Call of Duty on-line. Uma das suspeitas é que o crime tenha sido planejado em fóruns do game. Luís Henrique de Castro e Guilherme Taucci Monteiro eram ex-alunos e vizinhos da Escola Estadual Raul Brasil. O mais jovem tinha abandonado a escola no ano passado.

A dupla passava pelo menos três noites por semana em uma lan house jogando game como Call of Duty, Counter Strike e Mortal Combat, de acordo com moradores locais. Os computadores usados pelos adolescentes foram apreendidos.” (link para a matéria: https://istoe.com.br/policia-apura-motivacao-para-massacre-em-escola-de-suzano/)

UM GAME PODE FAZER DE ALGUÉM UM ASSASSINO NA VIDA REAL?

Para responder a essa pergunta, primeiro temos que analisar o que transforma uma pessoa em um assassino. Para isso, vamos reproduzir aqui um artigo sobre isso. Veja:

Por que algumas pessoas se tornam psicopatas?
A ciência e a psiquiatria ainda não têm uma solução definitiva. Mas a análise de casos revelam alguns padrões na vida e no comportamento de alguém que sofre desse distúrbio

Infância: Crianças que sofrem algum tipo de trauma ou são tratadas friamente tendem a ter um instinto de autopreservação elevado e têm dificuldade de desenvolver empatia pelo próximo

Autojustificativas: Nem toda criança infeliz vira assassina. O processo para formar um psicopata começa quando o indivíduo cria uma série de saídas ou justificativas para os seus atos, gerando desculpas para comportamentos mais violentos.

Isolamento da sociedade: Os futuros psicopatas não aprendem, e às vezes não conseguem identificar as convenções e os comportamentos sociais – basicamente, eles se importam somente com suas próprias necessidades.

Egoísmo: O psicopata é incapaz de se colocar no lugar do outro – em uma situação de sofrimento, por exemplo, ele se mantém frio e apático.

Negação: Mesmo não sentindo nada quando prejudica alguém, a negação dos fatos é a principal ferramenta de convencimento usadas pelos psicopatas quando são pressionados por outras pessoas.

Manifestações não violentas: A maioria das pessoas que se tornam psicopatas não toma o caminho da violência. Elas conseguem entender as consequências de suas ações e não chegam a ferir ninguém fisicamente – elas “só” exploram os outros em benefício próprio.

(fonte: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/por-que-uma-pessoa-se-torna-psicopata-e-como-a-mente-dela-funciona/)

Como se vê, o mero fato de se jogar um game de ação não transforma ninguém em assassino. A pessoa precisa padecer de uma série de fatores para que tudo isso junto a transforme. Mas então porque os games mais uma vez estão sendo culpados?

* Porque a notícia vende mais: o mundo está cheio de pessoas conservadoras que tem opiniões negativas sobre todos os tipos de games. Uma notícia que alimente esse pensamento sempre convém.
* Porque atacar a um game é cômodo: em lugar de muita investigação, descobrir que um jovem joga um game popular (que é jogado por milhões de pessoas em todo o mundo) é muito mais fácil do que investigar algo que pode levar dias para ser apurado.

Nós aqui da Giki repudiamos o que aconteceu em Suzano. E também temos nojo de como a imprensa tem em alguns casos, tratado o assunto. Como se tão simplesmente um game possa mudar uma pessoa a esse ponto, de matar outras. Se fosse assim realmente, games como The Sims poderiam criar milionários por exemplo.

Um game não transforma ningúem em assassino. Esperamos que a imprensa algum dia aprenda isso.

Etiquetas
Mostrar mais
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios